PUB
                             
Tendências / Desfiles - 08.01.2019

A Chanel terminou o ano com um anúncio que deixou o mundo da moda de queixo caído. Seguindo o exemplo de grandes marcas, como Diane von Fürstenberg, a marca francesa anunciou que irá abandonar a utilização de peles de animais exóticos (como cobras, crocodilos, lagartos ou tubarões) nas suas coleções.

Esta decisão deveu-se, em grande parte, ao facto da Chanel procurar tornar-se mais sustentável a nível ambiental, tomando medidas que fossem ao encontro dos princípios da empresa, uma vez que se tem tornado cada vez mais difícil a obtenção, de forma ética e responsável, deste tipo de materiais para a confeção de peças.

Desde 2015 que a organização não governamental PETA (People for Ethical Treatment of Animals) procurava negociar com a marca o abandono do uso de peles de animais nas suas peças, sendo que só agora foi possível a obtenção de uma resposta positiva. Surpreendendo tudo e todos, em particular os defensores dos direitos dos animais, a Chanel dá mais um passo para a crescente consciencialização da indústria da moda no que toca à obtenção de recursos para as suas coleções, abrindo cainho para que outras marcas de luxo sigam este exemplo.

 

 

Artigos relacionados...

A bolsa de batom mais desejada da Louis Vuitton

Peça emblemática e perfeita para o dia-a-dia

Patek Philippe: dois séculos de histórias para contar

O nascimento e vida da marca de alta relojoaria

Chanel despede-se de Karl Lagerfeld

Highlights da Semana da Moda de Paris

Milão despede-se do street e sportswear

Tendências clássicas e arrojadas são as preferidas para 2020

Moda Lisboa Insight: as novas dinâmicas da moda

Dê as boas-vindas às coleções de outono/inverno 2019/2020

Os Mais Vistos

Lifestyle

O automóvel mais caro de sempre dá-se a conhecer

Lifestyle

Os segredos mais bem guardados

F Luxury no Instagram