PUB
                             
Entrevistas - 15.11.2019

De Portugal para o mundo, a Idealdrinks dedica-se à produção e distribuição de vinhos, destilados e azeites de excelência, que a empresa ambiciona que venham a ser bons embaixadores do que de melhor se faz no país.

 

1 – Sub-holding do Grupo Idealtower, a Idealdrinks nasceu em 2010. Quais os objetivos que fizeram criar esta insígnia?

Em Portugal, a Idealdrinks possui um conjunto alargado de propriedades espalhadas por várias regiões vitivinícolas portuguesas, nomeadamente Bairrada, Dão e Vinhos Verdes. Um património que inclui algumas propriedades emblemáticas, testemunhos únicos da história, cultura e tradição nacionais, agora recuperado, valorizado e revitalizado.

Vinhos, destilados e azeites de elevada qualidade são aqui criados a partir das melhores frutas, com o apoio da mais moderna tecnologia e a preciosa colaboração de uma equipa que reúne alguns dos mais prestigiados especialistas mundiais nas áreas da enologia, destilaria e olivicultura.

Produtos de excelência, diferenciados e competitivos, que exprimem o melhor dos diversos terroirs nacionais, num encontro harmonioso entre natureza e savoir-faire humano.

 

2 – A Idealdrinks dedica-se à produção e distribuição de vinhos, destilados e azeites de excelência. Qual o balanço que faz destes nove anos de atividade?

Foram nove anos muito distintos uns dos outros! Durante este tempo, a empresa teve a oportunidade de se moldar face ao positivo e ao negativo que teve de enfrentar, sendo a mesma uma nova empresa no mercado. Sempre com o objetivo de crescer e vingar na indústria, conquistando, dia após dia, a confiança dos nossos clientes. Sempre apostamos na criação de marcas que se pudessem destacar pela sua qualidade e singularidade e, em simultâneo, criar notoriedade em torno das mesmas. Marcas como o Principal, Quinta da Pedra, Dom Bella, Colinas, entre outras. É inevitável dizer que a imagem é muito importante, e que trabalhamos minuciosamente para que todos os detalhes se unam harmoniosamente e sejam uma agradável surpresa aquando da sua primeira impressão. Mas a grande surpresa que pretendemos criar com os nossos vinhos é efetivamente o momento da primeira prova. Cada vinho, com a sua própria identidade, caráter e personalidade. Esse é um dos nossos grandes objetivos, criar vinhos singulares, que não se confundam!

Além da recorrente aquisição de várias propriedades ao longo destes anos, o Grupo foi crescendo de dentro para fora e de fora para dentro. As equipas das diferentes áreas de trabalho continuam a crescer e são cada vez mais sólidas, e isso é um prazer enorme acompanhar! Atualmente, temos onze propriedades distribuídas por todo o país e apenas duas delas não produzem vinhos, sendo as mesmas apenas administrativas. Em todas as restantes, contamos com, pelo menos, uma plantação de vinha. Quanto às nossas adegas, temos atualmente duas, a Quinta Colinas de São Lourenço na Bairrada, a Quinta da Pedra em Monção, e iniciaremos, muito em breve, a construção da terceira, na Quinta de Bella, em Viseu.

 

3 – O seu padrinho Carlos Dias investiu no país numa altura economicamente mais difícil ao fundar a Idealdrinks. Agora que o José assume os desígnios da empresa, quais os principais desafios que se lhe deparam?

A minha entrada trouxe com ela um objetivo de crescimento sustentável e de posicionamento das marcas Idealdrinks no mercado nacional! Facilitou a tarefa assumir um projeto em que a qualidade dos produtos sempre falou mais alto, e com ela a filosofia de procurar fazer mais e melhor. Desde o primeiro dia, foi importante para mim, baixar os 65 por cento que representava o mercado externo, e fazer crescer os 35 por cento que representavam o mercado nacional. Mais de dois anos depois, Portugal representa mais de 50 por cento das vendas do Grupo, tendo conseguido posicionar e fazer crescer as marcas-chave como o Principal, Quinta da Pedra e também a gama Colinas.

Apesar do crescimento no mercado nacional, a exportação não foi descurada de forma alguma, houve um incremento no investimento da produção, que nos proporcionaram ter mais quantidade preservando a qualidade, e fazer um plano que está neste momento em prática, que leva à abertura e ao foco em mercados de valor acrescentado.

Como seria expectável, existem obviamente aspetos desafiantes na empresa, o que torna o projeto Idealdrinks ainda mais interessante a meu ver, mas penso que o mais complexo roda em torno de criar marcas nacionais que conquistem o respeito e notoriedade, que mais facilmente marcas, por exemplo, francesas, conseguem conquistar no mundo dos vinhos!

 

4- Sob uma estratégia de globalização assumida e determinada, atualmente a Idealdrinks está presente nalguns dos principais mercados emergentes, tendo fixado sucursais em Angola, Brasil e Ásia. O que representam estes mercados para a empresa?

A Idealdrinks sempre assumiu uma abordagem diferenciada no que toca à distribuição dos seus produtos em mercados internos e externos. Além de ser importante para nós garantir um acompanhamento cuidado dos nossos produtos até chegarem ao consumidor final, aliar isso ao potencial de crescimento de alguns mercados em particular, torna todo o investimento mais interessante.

É naturalmente mais dispendioso abrir uma estrutura própria num país estrangeiro, mas em simultâneo, mais vantajoso, pois conseguimos acompanhar todo o percurso do vinho, desde a vinha até ao consumidor final, sem adulterar de forma alguma a sua qualidade, quer seja no seu transporte, na forma como o vinho é guardado até o cliente efetivamente adquirir a garrafa e a consumir. É num todo um processo de controlo de qualidade mais seguro.

Atualmente, a Idealdrinks exporta cerca de 45 por cento do que produz, com um grande enforque no mercado asiático. Temos vários investimentos em desenvolvimento, e Hong Kong é, sem dúvida, um mercado em crescimento constante e com grande potencial para o segmento de produtos de luxo e de qualidade superior.

 

5 – O mercado angolano viu abrir uma loja do Grupo Idealdrinks, com produtos gourmet. O que justificou um espaço comercial próprio em Luanda?

Conforme a minha resposta à questão anterior, a Idealdrinks tem como estratégia a aproximação com o consumidor, de conseguirmos passar a nossa visão e valores de forma correta e assertiva, daí a abertura da loja e em simultâneo um centro logístico em Luanda, que nos permite efetuar a própria distribuição dos nossos produtos. Além desse modo de operar, o próprio mercado angolano por todo o seu potencial, motivou-nos a investir no país. Aliás, posso afirmar que somos das poucas empresas neste momento que ainda continua a investir no mercado angolano, mantendo a nossa própria rede de distribuição e comunicação, não recorrendo a empresas terceiras.

 

6 – Quais as propriedades nacionais mais emblemáticas da Idealdrinks, que foram recuperadas e revitalizadas pela empresa?

A Quinta Colinas de S. Lourenço foi a primeira propriedade a integrar o património do Grupo IDEALDRINKS. Adquirida em 2009, esta extensa propriedade está implantada em São Lourenço do Bairro, Anadia, no coração da Bairrada, zona vitivinícola por excelência. Os 80 hectares de vinha espalham-se pelos solos argilocalcários das suaves colinas típicas da região, as quais deram origem ao seu nome. A vinha, que foi totalmente remodelada e replantada com diversas castas nacionais e internacionais, permite produzir uma ampla e diversificada gama de produtos, incluindo vinhos tintos, rosés, brancos e espumantes.

A adega da quinta, construída de acordo com os melhores exemplos a nível mundial, recorre à mais moderna tecnologia de vinificação, fazendo toda a movimentação dos líquidos e massas por gravidade. As amplas salas de estágio, equipadas com as melhores barricas de carvalho francês, reúnem as condições ideais para o tranquilo repouso dos vinhos que, normalmente, também estagiam em garrafa durante vários anos.

O Paço de Palmeira, situado perto de Braga, é um dos mais belos monumentos arquitetónicos do Minho. Em 2010, o Paço de Palmeira iniciou uma nova etapa da sua vida, pois a vinha da propriedade ganhou um novo alento e vocação. Optou-se por fazer o recondicionamento dos vinhedos existente, adotando-se uma condução e um compasso de vinha inovador para a Região. Atualmente, com cerca de 28 hectares, a vinha original foi ampliada através de novas plantações. Beneficiando das condições únicas do local e de uma viticultura cuidada e rigorosa, dá origem às melhores uvas da autóctone casta Loureiro, a partir das quais se criam os elegantes monovarietais Eminência e Royal Palmeira.

A Quinta da Pedra, uma das mais históricas propriedades do Alto Minho, com raízes no século XVII, é hoje a maior vinha contínua de casta Alvarinho em Portugal. Localizada no concelho de Monção, na freguesia de Longos Vales, no coração da Sub-Região de Monção e Melgaço, esta extensa propriedade com 43 hectares de vinha dedicada à casta Alvarinho, beneficia de solos graníticos e de generosa exposição solar.

A adega possui instalações de vinificação modelares, suportadas pela mais moderna tecnologia, essenciais para preservar e potenciar a qualidade das uvas criadas na Quinta da Pedra e produzir os melhores vinhos.

No atual projeto, foi igualmente implantada uma das mais sofisticadas destilarias do mundo dedicada às aguardentes das castas Alvarinho e Loureiro, entre outras, assim como de destilados de frutas nacionais.

 

7 – Qual a importância da matéria-prima para se obter vinhos, destilados e azeites da mais elevada qualidade?

Resumidamente, é toda! Os nossos vinhos são feitos na vinha! É crucial manter e procurar ter a melhor matéria-prima possível, com a mínima intervenção química. Na Idealdrinks já trabalhamos quase a 100 por cento com matérias orgânicas e é praticamente inexistente o uso de fitofármacos fora e dentro da adega. Se queremos fazer vinhos de grande qualidade temos de preservar e cuidar diariamente aquilo que a natureza tem de melhor para nos dar. O nosso objetivo é fazer os melhores vinhos possíveis com a mínima intervenção.

 

8 –O vinho Principal Rosé Tête de Cuvée 2011, foi considerado um dos melhores do mundo por um jornal italiano de referência. Por seu turno, o Principal Tinto Grande Reserva 2009 situou-se entre um dos 10 melhores do mundo pela prestigiada revista Spirito divino. E o Principal Branco foi considerado o melhor vinho do país em 2019. Que importância tem para a Idealdrinks este tipo de prémios?

É sempre importante ser-se reconhecido pelo seu trabalho, e naturalmente é uma prova de sucesso e de realização para todos os membros do Grupo. Ser colocado ao lado dos “melhores do mundo” é obviamente uma afirmação de que estamos no caminho certo e que toda a nossa dedicação e empenho para com o projeto está a dar os seus frutos. A verdade é que não temos por hábito participar em concursos ou “competições”, mas ocasionalmente participamos e é, sem dúvida, gratificamente para nós e uma afirmação da marca junto do mercado.

A marca Principal tem como objetivo ser um selo de qualidade nacional para os portugueses e para o resto do mundo, sendo esse um dos seus propósitos, o ser premiado nos três vinhos, branco, tinto e rosé, é obviamente motivo de orgulho.

 

9 – Proudly Produced in Portugal é muito mais do que a chancela de origem que aplicam a todos os vossos produtos da Idealdrinks. O que de facto representa esta afirmação anglo-saxónica?

O Proudly Produced in Portugal foi a primeira marca que o meu padrinho registou quando decidiu investir em Portugal. Com a sua criação, nasce também um objetivo bem presente da internacionalização das marcas que carregam esta chancela, e acima de tudo, do fato de ser produzidas em Portugal. É uma prioridade e um objetivo diário para nos mostrar ao mundo que aquilo que se produz em Portugal, além de ser de grande qualidade, também pode competir com os «melhores», quer sejam franceses, italianos, espanhóis, etc. Somos um país pequeno, mas com qualidades tão boas ou até melhores do que os até hoje reconhecidos. Nós procuramos trazer para Portugal também esse reconhecimento. Batalhamos para que o made in Portugal e o Proudly Produced in Portugal valham tanto ou até mais que qualquer outro made in… Esse é o principal objetivo desta chancela, valorizar e defender orgulhosamente aquilo que é produzido em Portugal.

 

10 – A empresa está em vésperas de abrir um espaço privilegiado em Hong Kong. Quais os planos futuros de expansão da Idealdrinks?

Este espaço, surge de forma bastante natural para nós, sendo Hong Kong o mercado externo com mais procura dos nossos produtos atualmente e no nosso ponto de vista com o maior potencial de crescimento no nosso segmento à data de hoje. Pareceu-nos óbvio o investimento para estarmos presentes com um espaço físico onde o consumidor final possa ter um contacto mais personalizado e próximo da Idealdrinks. É uma loja Idealdrinks, com todos os nossos produtos, staff formado por nós e, acima de tudo, uma preservação da nossa filosofia comercial.

Artigos relacionados...

Cuca Roseta

A voz que toca no coração

José Dias

O notável percurso da marca Idealdrinks

Frederico Morais

Na crista da onda

Hugo Silva

Chef regressa ao The Mix do Farol Hotel, em Cascais

Patrícia Mamona

Quando o talento e a beleza se conjugam

Os Mais Vistos

Lifestyle

Um modelo limitado a apenas 15 unidades em exclusivo para o mercado chinês

Bem-Estar

Conheça os programas disponíveis no Mandalay Spa